depositphotos 39301591 stock photo suitcase full of dreams

O Sonho e o Trauma na Psicologia Analítica  

Antonio Maspoli

Introdução

A complexidade dos objetos de estudo desta pesquisa obrigou este pesquisador a buscar outros aspectos teóricos relevantes para compreender e analisar a subjetividade quilombola fruto da observação de campo. Os aspectos teóricos considerados neste capítulo procuram revelar o mundo subjetivo com relação ao sonho, ao trauma, ao tempo, etc. Foram coletados aqueles aspectos das grandes teorias e microteorias relacionados aos fenômenos estudados. São fatores teóricos que se complementam e, por isso mesmo, às vezes se interpenetram. São eles: o sonho na linguagem traumática; o sonho xamânico; o kairós – o tempo presente.

O sonho ocupa um papel de destaque na Psicologia Analítica. Os sonhos tanto podem se reportar aos estados conscientes quanto aos estados inconscientes do sujeito. Os sonhos podem não apenas estar ligados ao passado como representar fatos do presente, do cotidiano, ou apontar para fatos anomalísticos e futuros da vida do sonhador (JUNG, 1975). Os complexos podem aparecer no conteúdo dos sonhos. “Jung, portanto, tentou expor conscientemente a sua opinião de que o objetivo da interpretação dos sonhos é descobrir tanto os complexos quanto o que o inconsciente tem a dizer a respeito dos complexos. ” (MATTOON, 2013, p. 31). Neste trabalho, o sonho será abordado tanto com respeito aos seus aspectos coletivos, como linguagem de traumas, quanto aos seus aspectos xamânicos.

Carl Gustav Jung (1964) considera os sonhos como os mais fecundos e acessíveis caminhos de exploração do inconsciente, para quem deseja investigar a capacidade de simbolização do homem. No inconsciente, nenhum símbolo onírico pode ser separado da pessoa que o sonhou, da sua história de vida pessoal, do passado e presente, e nem mesmo das suas expectativas quanto ao futuro. Por esse motivo, Jung afirma que nenhum manual de interpretações de sonhos é válido e eficaz, pois os símbolos são próprios do sonhador e só fazem sentido no contexto da história de vida de quem sonhou. M. A. Matoon, seguindo Jung, relaciona os sonhos ao complexo e postula que “[…] o objetivo da interpretação dos sonhos é descobrir tanto os complexos quanto o que o inconsciente tem a dizer a respeito dos complexos” (MATTOON, 2013, p. 31).

Jung trabalha com o simbolismo no contexto da interpretação dos sonhos, porque julga impossível entender tão bem um sonho alheio, a ponto de interpretá-lo perfeitamente. Ele costumava falar para seus alunos aprenderam tudo, ao máximo, sobre simbolismo, mas, na hora de interpretar um sonho, deveriam esquecer de tudo a fim de apreender o sonho da perspectiva do sonhador, e não do analista (JUNG, 1964, p. 18). “O sonho, portanto, num vocabulário simbólico, isto é, por meio de representações figuradas e sensoriais, comunica-nos ideias, juízos, concepções, diretrizes, tendências, etc., que, recalcadas ou ignoradas, se encontravam no estado de inconsciência ” (JUNG, 1975, p. 257).

Carl Gustav Jung (1998) considerava que, para se entender o sentido do sonho, deve-se perguntar ao sujeito que elementos estão associados à imagem onírica. Lugares conhecidos, familiares, parentes, fatos passados, etc., porém a redução é insuficiente. Deve-se questionar o porquê daquelas associações, e não outras. Uma causa só é insuficiente. Só a influência de várias causas é capaz de dar uma determinação verossímil das imagens do sonho. Pode-se evocar toda a história do indivíduo como material associativo ao sonho, todavia deve-se ir até onde possa parecer necessário. Deve ser feita uma seleção do material e submetê-lo ao método comparativo. Os fenômenos psicológicos podem ser abordados de duas formas: causalidade e finalidade. Portanto, deve-se buscar também o para que do sonho, isto é, a sua finalidade. Na perspectiva de Jung, só o porquê não resolve. O porquê, por ser causal, pode ser reducionista e regressivo. Já o para que abre novas possibilidades para o sonhador, é probabilístico e teleológico. Na interpetação dos sonhos tanto o porque? Quanto o para que? Devem ser instrumentalizados (JUNG, 1998).

Podemos formular a questão da seguinte maneira: para que serve este sonho? Que significado tem e o que deve operar? Estas questões não são arbitrárias, portanto podem ser aplicadas a qualquer atividade psíquica. Em qualquer circunstância é possível perguntar-se por quê? E para quê? Pois toda estrutura orgânica é constituída de um complexo sistema de funções com finalidade bem definida e cada uma delas pode decompor-se numa série de fatos individuais, orientados para uma finalidade. (JUNG, 1998, p. 249).

O sonho como linguagem do trauma

O trauma pode assumir personificações nos sonhos. Nesse caso, tais sonhos são carregados de emoções semelhantes àquelas vivenciadas pelo sujeito, na experiência traumática, intensas e ameaçadoras. Se, por um lado, o sonho possibilita uma catarse para as emoções, as sensações e os sentimentos da experiência traumática reprimidos no inconsciente, há que se considerar também que, em alguns desses sonhos, o sujeito revive a experiência traumática. A intensidade afetiva do trauma, no sonho, pode retraumatizar o sujeito, como ocorre no pesadelo. Donald Kalsched (1996) afirma que existem duas importantes constatações, na literatura a respeito do trauma:

A primeira constatação é que a psique traumatizada é autotramatizante. O trauma não termina com a cessação da violência externa, mas prossegue com o mesmo vigor no mundo interior da vítima do trauma, cujos sonhos são com frequência, assombrados por figuras interiores opressores. A Segunda constatação é o fato aparentemente perverso de que a vítima do trauma psicológico continuamente dar consigo em situações de vida nas quais é retraumatizada. (KALSCHED, 2013, p. 20).

Na linguagem do sonho traumático, não é incomum que a representação do complexo afetivo derivado do trauma apareça reassentada por imagens daimônicas: “Pesquisas cuidadosas desses sonhos em situações clínicas conduzem à nossa hipótese principal de que as defesas arcaicas associadas ao trauma são personificadas como imagens daimônicas. ” (KALSCHED. 2013, p. 14). A imagem daimônica representa, na psique, o processo de sofrimento e a dissociação psíquica. Daimônico é derivado de daimon:

Uma sugestão para uma possível interpretação provém da derivação da palavra diabólico, do grego dia (através) e ballein (lançar) (Oxford English Dictionary), donde, lançar através ou separado. Disso deriva o significado usual de diabolôs como o Diabo, isto é, aquele que atravessa, impede ou desintegra (dissociação). (KALSCHED, 2013, p. 37).

Os sujeitos traumatizados são assombrados por sonhos terríveis. Nesses sonhos, destaca-se a figura obscura do daimon como epicentro do evento onírico. O daimon no sonho talvez represente o núcleo do evento traumático. Em sua obra “Recuerdos, suenos, pensamento”, Carl Gustav Jung (1971) usou o termo daimon como explicação parcial da gênese da sua obra e de sua vida. Jung afirma que   viveu, escreveu e desenvolveu a psicologia analítica como uma consequência de estar sob a inspiração do daimon.

O termo daimon, em Jung, refere-se à energia criadora e obscura que flui do inconsciente, um arquétipo ou o numinoso, aquele numinoso de Rudolfo Otto, desde os tempos primordiais, tem sido atribuído como portador de um poder divino e que possui uma autoridade muito maior do que o intelecto humano (OTTO,1985). “Quando o daimon está em ação, sentimo-nos muito perto e muito longe. Só quando ele se cala é que podemos guardar uma medida intermediária  ” (JUNG, 1975, p. 309).

O daimon corresponde às memórias implícitas da neurociência localizadas no lado direito do hemisfério cerebral (WILKILSON, 2009; 2010). O daimon brota do inconsciente. Embora pareça um termo místico, obscuro, Jung deixa claro, todavia, que o daimon se refere ao inconsciente(JUNG, 1975, p.291).O daimon, em outras palavras, mantém a tensão dos opostos, com seus bons e maus aspectos. Jung também destacou a estreita ligação entre o daimon e criatividade (JUNG, 1975, p. 297).

Sonhos xamânicos   

As narrativas coletivas dos povos – seus mitos, suas lendas, suas visões, suas revelações, suas fantasias, suas histórias – são consideradas, por Jung, como equivalentes dos sonhos: “As ‘narrativas dos povos’ (aquelas de autoria de um povo, e não de um indivíduo) – mitos, lendas e contos de fada – são frequentemente considerados por Jung como sendo o equivalente dos sonhos de uma pessoa, ou seja, produtos do inconsciente” (MATOON, 2013, p. 58). O sonho coletivo reflete não só a trajetória do sujeito, mas também do grupo, como inclui a saga da comunidade em seu conteúdo. “O sonho para esses povos tem um papel central em suas culturas e são geralmente utilizados para nortear suas vidas, assim como servem de guia para as ações do grupo como um todo”(FARIA; FREITAS; GALIBACH, 2014, p. 270).

O Xamã, chamado de Pajé entre os índios brasileiros e entre os negros da foz do Rio Amazonas, é uma espécie de médico, curandeiro, feiticeiro e sacerdote. O Pajé é portador de uma vocação divina especial. Ciente dessa vocação, ele é separado, desde cedo, para a sua iniciação, dedicando-se a fazer a mediação entre as forças espirituais do bem e do mal, entre a saúde e a doença, a loucura e a sanidade, Deus e o demônio, os santos e os pecadores e também a mediação dos tempos,  entre o chronos e o kairós.

O Pajé é escolhido por um sinal. Algo sobrenatural. Meu pai chorou na barriga da minha avó. Esse foi o sinal. Ele já nasceu Pajé. Seus poderes foram reconhecidos desde criança. O choro na barriga da minha avó foi o sinal do seu chamado. E ele atendeu a este chamado até se converter ao protestantismo e converter o quilombo, em 22 de maio de 1968. (Rio Negro, 70 anos).

O Pajé do Amazonas, como no resto do Brasil, é fruto do sincretismo religioso, do cruzamento do catolicismo popular com religião indígena e com os cultos afro-brasileiros. Os quilombolas chamam essa prática religiosa de religião de pena e maracá. A religião de pena e maracá tem como centro da sua prática a invocação dos encantados. Os encantados são os espíritos dos ancestrais, da natureza e dos antepassados que vivem no fundo dos igarapés e podem ser invocados e recebidos pelo fenômeno da possessão. A função dos encantados é proteger, curar e orientar a vida dos vivos (TAUSSIG, 1993; FIGUEREDO, 2008).

O Pajé é dotado de poderes mágicos, capaz de realizar e quebrar magias, feitiçarias e encantamentos. O Pajé tem o poder de invocar e incorporar os encantados. O Pajé conhece os segredos da natureza, da floresta, dos tempos e do coração do homem.

No Amazonas, o Pajé é o médico e o guia espiritual de índios e quilombolas. O Pajé dessa região pode ser enquadrado na definição de Mircea Eliade (2002): “Desde o início do século, os etnólogos se habituaram a utilizar como sinônimos do termo xamã, medicine man, feiticeiro e mago para designar certos indivíduos dotados de prestigio mágico-religioso encontrados em todas as sociedades primitivas” (ELIADE, 2002, p. 15). Além da arte de curar, o Pajé é um profundo conhecedor dos efeitos benéficos e maléficos das ervas. O Pajé é dotado da técnica do êxtase. O êxtase lhe permite subir aos céus e/ou descer ao inferno da alma humana, além de possibilitar certa atividade profética de previsão dos tempos futuros para o grupo e até para o sujeito. O Pajé é o especialista na análise dos fenômenos naturais como preditores do futuro. O Pajé pode prever, por exemplo, se no próximo ano haverá chuva abundante, ou seca calcinante. O Pajé domina a interpretação dos sonhos (ELIADE, 2002, p. 17).

Na literatura mundial, o pajé é mais conhecido como xamã. Seu status de especialista no mundo onírico não decorre somente de um conhecimento intelectual ou didático do assunto, mas, sobretudo, de uma vivência visceral no mundo dos sonhos, e é a partir deste conhecimento empírico que o pajé sustenta suas práticas de cura. (OLIVEIRA, 2014, p. 271).

O sonho do Pajé serve a um propósito de compensação e de cura da alma. O Pajé pode sonhar, em transe, dormindo ou mesmo acordado. Do ponto de vista psicológico, o sonho do Pajé é um fenômeno psíquico normal, que transmite à consciência reações inconscientes ou impulsos espontâneos. A maioria dos sonhos pode ser interpretada por associação, mas, em certos sonhos proféticos e premonitórios, podem aparecer elementos que não são individuais ou formas mentais cuja presença não encontra explicação na vida do indivíduo. Tais sonhos mais parecem formas primitivas da cultura e podem representar uma herança do espírito humano. Herança esta originária daquele lugar onde se situam os arquétipos, o inconsciente coletivo.  

Diferente de nosso mundo ocidental, em que o especialista em sonhos, como o psicólogo ou analista, é mais um interprete ou um tradutor do mundo onírico das pessoas, o pajé utiliza seu mundo onírico como fonte de conhecimento e cura. O que lhe garante o status de especialista em sonhos é o uso que ele próprio faz de seus sonhos. “Para o pajé, o sonho é fundamental e pode ajudá-lo a antever acontecimentos, descobrir autores de furto e muitas outras adivinhações”. (OLIVEIRA, 2014, p. 275).

No sonho do Pajé, o elo entre o sonho, a fantasia e a realidade são o símbolo e o mito. O símbolo, na estrutura onírica, é o caminho de aproximação entre realidade e a fantasia, entre o arquétipo e o mito. O mito é a forma mais comum de inserir o símbolo na narrativa e transmiti-lo às gerações futuras.

Esse elo crucial entre os mitos arcaicos ou primitivos e os símbolos produzidos pelo inconsciente é de valor prático para o analista. Permite-lhe identificar e interpretar esses símbolos em um contexto que lhes confere tanto uma perspectiva histórica quanto um sentido psicológico. (JUNG, 1964, p. 109).

Na intepretação dos sonhos de natureza arquetípica e coletiva, é facultativo considerar- o contexto histórico onde o sonho emerge, além das informações necessárias sobre o ambiente do sonhador. Um dos métodos utilizados é a amplificação. Na amplificação  pode-se utilizar o conhecimento histórico, mitológico, fabular e até mesmo usar parábolas para decifrar o conteúdo do sonho. “Quando os sonhos encerram um conteúdo arquetípico, a amplificação inclui paralelos, imagens semelhantes em situações semelhantes, em segundo plano, extraídos da literatura mitológica e etnológica ” (MATOON, 2013, p. 120).

O tempo do mito é o mesmo do sonho, é o kairós. O tempo profano é representado pelo khronos e o tempo sagrado pelo kairós. Antes de adentrarmos por essa discussão, tem-se uma pergunta simples para se responder: o que é o tempo? “Se alguém me perguntar, eu sei; se quiser explicar, já não sei. Porém atrevo-me a declarar, sem receio de contestação, que, se não houvesse a memória, não haveria tempo passado; que se nada sobreviesse, não haveria tempo futuro e, se agora nada houvesse, não existiria tempo presente. ” (AGOSTINHO, 1997, p. 322).

REFERÊNCIAS

BARCELLOS, G. South and the Soul. In: AMEZANAGA, P.; BARCELLOS, G.;

BLEULER, E. Demencia precoz: el grupo de las esquizofrenias. Buenos Aires: Paidós, 1911.

CAPRILES, A.; GERSON, J.; RAMOS, D. Listening to Latin America. Exploring cultural complexes in Brazil, Chile, Colombia, Mexico, Uruguay, and Venezuela. New Orleans: Spring Journal Books, 2012. p. 17-31.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAROCAS, H. A.; BAROCAS, C. B. Manifestations of concentration camp effects on the second generation. Am J Psychiatry, v. 130, n. 7, p. 820-821, 1973.

BIRMAN, J. Jung, a psicologia analítica e o resgate do sagrado. In:PINTO, G. C. (Org.) Viver mente e cérebro. Carl Gustav Jung, o resgate do sagrado. 2. ed. rev. e atualizada. São Paulo: Duetto, 2006. p. 24-31 (Coleção Memória da Psicanálise, n. 2).

EISENDRATH, P. Y.; DAWSON, T. Manual de Cambridge para estudos junguianos. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ELLENBERGER, H. F. Histoire de la découverte de L’inconscient. France: Simpe Editions Villerrbanne, 1974.

FARIA, D. L de; FREITAS, L. V. de; GALLBACH, M. R. Sonhos na psicologia analítica. Novas perspectivas no contexto brasileiro. São Paulo: Paulus, 2014.

FELDMAN, B. Towards a theory of organizational culture: integrating the “other” from a pos-Jungian perspective. In: SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004. p. 251-262.

______. The cultural skin in Latin America. In: AMEZANAGA, P.; BARCELLOS, G.; CAPRILES, A.; GERSON, J.; RAMOS, D. Listening to Latin America. Exploring cultural complexes in Brazil, Chile, Colombia, Mexico, Uruguay, and Venezuela. New Orleans: Spring Journal Books, 2012. p. 109-129.

FRAZER, J. G. Um ramo de ouro. Tradução de Waltensir Dutra. São Paulo: Círculo do Livro, 1980.

FREUD, S. Totem e tabu e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Direção da Edição Brasileira: Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 2006.A

________. O futuro de uma ilusão, o mal-estar da civilização e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Direção da Edição Brasileira: Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 2006a.

________. Moisés e o monoteísmo, esboço de uma psicanálise e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Direção da Edição Brasileira: Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 2006b.

GALILI-WEISSTUB, E. Collective trauma and cultural complex. In: SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004. p. 147-171.

GERSON, J. Malinchismo: betraying one’s own. In.: SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psycheand Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004. p. 35-46.

GOMES, A. M. de A. O inconsciente coletivo em Carl Gustav Jung. 1988. Monografia (Conclusão de Curso de Graduação) – Faculdade de Biologia e Psicologia Maria Thereza, Niterói-RJ, 1988.

______. Um retrato da psicologia comunitária: a prática da psicologia nas Organizações Não Governamentais no município do Rio de Janeiro 1993-1995. 1995. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 1995.

______. Comunidade étnica do Quilombo do Mel da Pedreira: prevenção em saúde, desenvolvimento sustentável e educação inclusiva de jovens e adultos. 2011. Projeto de Extensão. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2011.

______. (Org.). Psicologia social da conversão religiosa. São Paulo: Reflexão, 2013.

HALBWACHS, M. La mémoire collective. Paris: Albin Michel, 1997.

HENDERSON, J. The foot-race for a prize. In: SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004. p. 62-64.

HENDERSON, Joseph L. Cultural Attitudes in Psychological Perspective. Toronto, Canadá: Inner City Books, 1984.

HILLMAN, J. O código do ser. Uma busca do caráter e da vocação pessoal. Tradução de Adalgisa Campos da Silva. São Paulo: Objetiva, 1997.

JUNG, C. G. Collected papers on Analytical Psychology. 2. ed. Londres: Balliere, Tindall, 1920.

______. Modern Man in Fearch of Soul. New York: Harcout, Brace, 1933.

______. O Homem e seus Símbolos. Trad. Maria Lucia Pinho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1964.

______. Recuerdos, suenos , pensamentos. Nueva Yok: Pantheom Kooks, 1971..

______. Los complejos y el inconsciente. Tradução de Jesus Lopez Pacheco. Madrid: Alianza, 1974.

______. O homem, a descoberta da sua alma. Estrutura e funcionamento do inconsciente. Tradução de Camilo Alves Pais. Porto: Tavares Martins, 1975.

______. Psicologia da Religião Ocidental e Oriental. Petrópolis: Vozes, 1980.

______. A Dinâmica do Inconsciente. Tradução de Mateus Ramalho Rocha. Petrópolis: Vozes, 1984.

______. Modern man in search of a soul. Translated by W.S. Dell. London: Ark Paper Backs, 1985.

______. A prática da psicoterapia. Contribuição ao problema da psicoterapia e à psicologia da transferência. Tradução de Maria Luiza Appy. Petrópolis: Vozes, 1988.

______. Freud e a Psicanálise. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 1989.

______. Psicologia e religião oriental. Petrópolis: Vozes, 1991.

______. Psicologia em Transição. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 1993.

______. The Integration Of The Personality. New York: Farrar Rinehart, 1994a.

______. Estudos psiquiátricos. v. 1. Tradução de Lucia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 1994b.

______. Estudos Experimentais. v. 2. Tradução de Edgar Orth. Petrópolis: Vozes, 1997.

______. A dinâmica do inconsciente. Tradução de Mateus Ramalho Rocha. Petrópolis: Vozes, 1998.

______. O livro vermelho: Liber Novas. Editado por Shonu Shamdasani. Tradução de Edgar Orth. Petrópolis: Vozes, 2010.

______. Espiritualidade e Transcendência. Tradução de Nélio Schneider. Seleção e edição de Brigitte Dorst. Petrópolis, Vozes, 2015.

KALSCHED, D. The inner world of trauma. Archetypal defenses of the personal spirit. Ney York: Brunner-Routledge, 1996.

______. O mundo interior do trauma, defesas arquetípicas do espírito pessoal. Tradução de Cláudia Gerpe Duarte. São Paulo: Paulus, 2013a.

______. Trauma and the soul. A psycho-spiritual approach to human development and its interruption. London; New York: Routledge, Taylor, Francis Group, 2013b.

KNOX, J. Archetype, attachment, analysis. Jungian psychology and the emergent mind. New York; London: Routledge, 2012.

KRETZMANN, J. P. Asset-based strategies for building resilient communities. In: REICH, J. W.; ZAUTRA, A. J.; HALL, J. S. Handbook of adult resilience. New York/London, 2010.

NAGY, M. Questões filosóficas na psicologia da C.G. Jung. Tradução de Ana Mazur Spira. Petrópolis: Vozes, 2003.

PENNA, E. M. D. Epistemologia e método na obra de Carl Gustav Jung. São Paulo: EDUC; FAPESP, 2013.

PEREGALLI, E. A Escravidão no Brasil. 2. ed. São Paulo: Global, 1988.

PERES, J. Trauma e Superação. O que a psicologia neurociência e a espiritualidade ensinam. São Paulo: Roca, 2009.

RAMOS, D. G. Corruption: Symptom of a cultural complex in Brazil? In: SINGER, T. The cultural complex and archetypal defenses of the group spirit: Baby Zeus, Ellian Gonzales, Constantine’s Sword, and other holy wars (with special attention to the axis of evil). In:SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004. p. 102-124.

______. The influence of ancestrally and skin color in self esteem and identity: a comparative study between graduate students from São Paulo and Salvador. (Pesquisa não publicada). PUCSP, 2009a.

______. Creativity and art as part of the elaboration of trauma brought on by slavery. In: JONE, R.; STEIN, M. Cultures and Identities in Transition. Hove and New York: Brunner-Routledge, 2009b.

______. Non Ducor; Duco, I am not led, I lead. In: AMEZANAGA, P.; BARCELLOS, G.; CAPRILES, A.; GERSON, J.; RAMOS, D. Listening to Latin America. Exploring cultural complexes in Brazil, Chile, Colombia, Mexico, Uruguay and Venezuela. New Orleans: Spring Journal Books, 2012. p. 51-75.

­­­­______; LOCATELLI, R.; WINNING, R. Formação da Identidade e sentimentos de autoestima: um estudo comparativo entre jovens brancos e negros. Núcleo de Estudos Junguianos. Disponível em: <http://www.pucsp.br/jung/portugues/publicacoes/artigos.html>. Acesso em: 12 jan. 2015.

______; MACHADO, P. P. Consciência e evolução. In:PINTO, G. C. (Org.).Viver mente e cérebro. Jung, a psicologia analítica e o resgate do sagrado. São Paulo: Duetto, 2006. (Coleção Memória da Psicanálise, n. 2).

______ et al. Identity formation and feelings of self-esteem: a comparative study between black and white students. Unpublished research. PUCS, 2010.

ROSENBERG, M. Society and the adolescent self-image. Science, v. 148, n. 7, May 1965.

ROY, M. When a religion archetype becomes a cultural complex: Puritanism in America. In: SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004. p. 64-78.

SABFORD, J. A. Os sonhos e a cura da alma. Tradução de José Wilons de Andrade. São Paulo: Paulus, 1988.

SCHMITT, D.; ALLIK, J. Simultaneous administration of the Rosenberg Self-Esteem Scale in 53 nations: exploring the universal and culture-specific features of global self-esteem. Journal of Personality and Social Psychology, v. 89, n. 4, p. 623-642, 2005.

SCHORE, A. N. The Science of the art of psychoterapy. New York; London: W.W. Norton 7, 2012.

SCHÜTZENBERGER, A. A. Aïe, mês aïeux. Liens transgérationnels, secrets de famille, syndrome danniversaire transmission des traumatismes et pratique du génosociogramme. Paris: Desclée de Brower/La Mèridienne, 1993.

______. The ancestor syndrome, transgenerational psychoterapy and the hidden links in the Family tree. London and New York: Routledge, Taylor & Franscis Group, 1998.

SCHWAB, G. Haunting leagacies, violent histories and transgerational trauma. New York: Columbia University Press, 2010.

SHAMDASANI, S. Jung e a construção da psicologia moderna. O sonho de uma criança.Tradução de Maria Silva Mourão Neto. São Paulo: Ideais e Letras, 2005.

SINGER, T. The cultural complex and archetypal defenses of the group spirit: Baby Zeus, Ellian Gonzales, Constantine’s Sword, and other holy wars (with special attention to the axis of evil). In:SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge,Taylor, Francis Group, 2004. p. 13-35.

______; KAPLINSKY, C. Cultural Complexes in Analysis. In: Jungian Psychoanalysis: Working in the Spirit of C.G. Jung. Edited by Murray Stein. Chicago: Open Court, 2010.

______; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge,Taylor, Francis Group, 2004.

SOLOMON, M. F.; SIEGEL, D. J. Healing Trauma, attachment, mind, body, and brain. New York, London, W.W. Norton, 2003.

SOLOMON, Z.; KOTLER, M.; MIKULINCER, M. Combat-related posttraumatic stress disorder among second-generation Holocaust survivors: preliminary findings. Am J Psychiatry, v. 145, n. 7, p. 865-868, 1988.

STANFORD, J. A. Os sonhos e a cura. Tradução de José Wilonso de Andrade. São Paulo: Paulus, 1988.

STERN, D. N. O momento presente na psicoterapia e na vida cotidiana. Tradução de Celimar de Oliveira Lima. Rio de Janeiro: Record, 2007.

TRACHTENBERG, A. R. C. et al. Transgeracionalidade. De escravo a herdeiro: um destino entre gerações. Porto Alegre: Sulina, 2013.

VIEIRA, A. Cartas de Padre Vieira a Roque Monteiro Paim (1691). In: D’AZEVEDO, J. L. (Coord.). Manuscrito publicado em Cartas do Pe. Antonio Vieira. Coimbra: Imprensa Universitária, 1928. Volume III, p. 622.

VIEIRA, H. Bandeiras e Escravagismo no Brasil. São Paulo: Secretaria da Cultura, Esportes e Turismo, 1969.

VIERTELER, B. R. A refeição das almas. São Paulo: Hucitec, 1990.

WAHBA, L. L. SãoPaulo and the cultural complexes of the City: Seeing Through Graffiti. In:AMEZANAGA, P.; BARCELLOS, G.; CAPRILES, A.; GERSON, J.; RAMOS, D. Listening to Latin America. Exploring cultural complexes in Brazil, Chile, Colombia, Mexico, Uruguay and Venezuela. New Orleans: Spring Journal Books, 2012. p. 75-109.

WERNECK, J.; TRACI, N.; CRUZ, S. Mulheres negras na primeira pessoa. Porto Alegre: Redes, 2012.

WESLEY-ESQUIMAUX, C.; SMOLEWSKI, M. Historic Trauma an Aboriginal Healing. Ottawa, Canada: Aboriginal Healing Foundation, 2004.

WHITMONT, E. C. A busca do símbolo – conceitos básicos da psicologia analítica. São Paulo: Cultrix, 2004.

WILKINSON, M. Coming into mind. The mind-brain relationship: a Jungian clinical perspective. London; New York: Routledge Taylor, Francis Group, 2009.

______. Changing minds in therapy. Emotion, attachment, trauma & neurobiology. New York; London: W.W. Norton, 2010.

YEHUDA, R. et al. Phenomenology & Psychobiology of the Intergenerational Response to Trauma. In: DANIELI, Y. Intergenerational Handbook of Multigenerational Legacies of Trauma. 1998a. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication. Acesso em: 30 ago. 2015.

______. Vulnerability to posttraumatic stress disorder in adult offspring of Holocaust survivors. Am J Psychiatry, v. 155, n. 9, p. 1163-1171, 1998b. Disponível em www.researchgate.net/publication. Acesso em: 31 ago. 2015.

______. Holocaust Exposure Induced Intergenerational Effects on FKBP5 Methylation. Biological Psychiatry, 2015. Disponível em: www.sobp.org/journal p. 1-12. Acesso em: 02 set.2015.

ZAUTRA, A. J. et al. Resilience: a new definition of health for people and communities. In: REICH, J. W.; ZAUTRA, A. J.; HALL, J. S. Handbook of adult resilience. New York/London: The Guilford Press, 2010.

ZOJA, L. Trauma and abuse: the development of a cultural complex in the history of Latin America. In: SINGER, T.; KIMBLES, S. L. The Cultural Complex. Contemporary Jungian Perspectives on Psyche and Society. Hove; New York: Brunner-Routledge, Taylor, Francis Group, 2004.

Antonio Maspoli

Sou Antonio Maspoli, cidadão do mundo, Teólogo e Psicólogo. Deus é a minha herança pessoal, meu caso de amor! Deus encantou-me com o a sua presença. E abriu-me as porta do conhecimento do numinoso: "Eu cri, por isso compreendi" (Agostinho). Desde então dediquei a minha vida a conhecer a Deus. E a minha existência a compreender a natureza humana.

https://antoniomaspoli.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.